quinta-feira, abril 18, 2024
More
    HomeCotidianoOperação: retirada de garimpeiros tem destruição de aeronaves

    Operação: retirada de garimpeiros tem destruição de aeronaves

    Publicado em

    spot_img

    O Ibama, a Funai e a Força Nacional, que operam desde sexta-feira (06), realizam a destruição de maquinário e aeronaves

    As operações do governo federal para retirar mais de 20 mil garimpeiros ilegais se intensificam na Terra Indígena Yanomami, em Roraima. O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama), a Fundação dos Povos Indígenas (Funai) e a Força Nacional, que operam desde sexta-feira (06), realizam a destruição de maquinário e aeronaves.

    Na noite de ontem, sportters flagraram dois aviões cargueiros da Força Aérea (KC-390 e C-105 Amazonas) no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes em Manaus. Embarcaram neles agentes da Força Nacional e materiais de trabalho – escudos e cassetetes – que chegaram de Brasília em um Boeing C-30.

    O registro foi realizado por volta das 22h. Os agentes militares estariam embarcando para a Roraima, mas por condições do aeroporto, que não conta com maquinário logístico para receber o desembarque, precisaram fazer a mudança na aeronave.

    Desde segunda-feira na TIY, segundo reportagem do jornal Estado de São Paulo, foram destruídos um helicóptero, um avião, um trator de esteira e estruturas de apoio logístico ao garimpo. Duas armas e três barcos foram apreendidos, assim como cerca de 5 mil litros de combustível que será utilizado na própria operação.

    Uma base de controle foi montada no rio Uraricoera que tem servido de rota para os garimpeiros e tem acesso ao Amazonas. A medida pretende impedir o fluxo de suprimentos, gasolina e diesel, uma vez que as embarcações apreendidos nos últimos dias carregavam cerca de uma tonelada de alimentos, freezers, geradores e até antenas de internet.

    Para somar esforços, o Ministério da Defesa, acionou o Comando Operacional Conjunto Amazônia (Cmdo Op Cj Amz) – Exército, Marinha e Força Aérea (que comanda a ação), que ativou a Operação Escudo Yanomami . A medida dará suporte ao trabalho integrado das Forças Armadas no enfrentamento da crise em TIY, tanto em Roraima, quanto na fatia do território no Amazonas.

    A operação é gerenciada pelo comandante o Major-Brigadeiro do Ar Raimundo Nogueira Lopes Neto. A Força Aérea tem atuada na interceptação de aeronaves. Após apelo dos garimpeiros e pressões política como do próprio governador de Roraima, Antônio Denarium (PP), foi determinada a abertura parcial da Zona de Identificação de Defesa Aérea (Zida) para permitir a saída de garimpeiros.

    O afrouxamento da Zida será mantido até a próxima semana. Voos com tráfego suspeito serão submetidos a medidas de policiamento do espaço aéreo. Por terra, a Folha de São Paulo acompanhou a saída de garimpeiros à pé e revelou que as viagens de avião chegam a custar R$ 15 mil após às restrições de voos impostas na região.

    Além da interceptação da Força Aérea, o Grupo Especializado de Fiscalização (GEF) do Ibama,  monitora pistas de pouso clandestinas na região. Sobrevoos para identificar e destruir a infraestrutura do garimpo, como aviões, helicópteros, motores e instalações, serão mantidos. O trator destruído era usado para abrir “ramais” na floresta.

    Leia mais:
    Yanomamis: 30 crianças e adolescentes estão grávidas por garimpeiros
    Yanomami: Defesa Civil de Roraima alertou Damares
    Garimpo: Aeronáutica vai controlar espaço aéreo da terra Yanomami

    Últimos Artigos

    Nível dos rios do AM é “preocupante”, diz Defesa Civil

    Em informativo à população compartilhado nesta semana, a Defesa Civil Estadual do Amazonas (DC-AM)...

    AM perde liderança no Norte na produção de ovos

    Com a produção de 520.956 ovos de galinha em 2023, o Amazonas perdeu a...

    Em dois meses, 17 pessoas morreram atropeladas em Manaus

    De janeiro a fevereiro de 2024, 17 pessoas morreram em atropelamentos em Manaus. O...

    Saiba quais alimentos têm sódio em excesso identificados pela Anvisa

    Um relatório divulgado pela Anvisa revelou que 28% dos produtos industrializados monitorados entre 2020...

    Mais artigos como este

    Nível dos rios do AM é “preocupante”, diz Defesa Civil

    Em informativo à população compartilhado nesta semana, a Defesa Civil Estadual do Amazonas (DC-AM)...

    AM perde liderança no Norte na produção de ovos

    Com a produção de 520.956 ovos de galinha em 2023, o Amazonas perdeu a...

    Em dois meses, 17 pessoas morreram atropeladas em Manaus

    De janeiro a fevereiro de 2024, 17 pessoas morreram em atropelamentos em Manaus. O...