sábado, maio 18, 2024
More
    HomePoderBrasilDataSenado revela que, em oito anos, número de mulheres agredidas por 'ex'...

    DataSenado revela que, em oito anos, número de mulheres agredidas por ‘ex’ cresceu 37%

    Publicado em

    spot_img

    O Instituto DataSenado apresentou em audiência pública na Comissão Mista de Combate à Violência contra a Mulher (CMCVM), a oitava edição da Pesquisa Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. O levantamento mostrou que o percentual de mulheres agredidas por ex-companheiros subiu de 13% para 37% entre 2011 e 2019. Segundo a pesquisa, 27% das entrevistadas já sofreram algum tipo de violência doméstica ou familiar. Considerando a margem de erro do estudo, o índice permanece estável em relação ao último estudo, em 2017, quando o indicador alcançou o maior nível em toda a série histórica: 29%.

    Segundo a pesquisa, feita em parceria com o Observatório da Mulher contra a Violência, 82% das mulheres ouvidas acreditam que a violência aumentou. A cada dez mulheres, sete foram agredidas antes dos 29 anos e 60% das entrevistadas conhecem alguém que sofreu algum tipo de violência, sendo o tipo de agressão mais comum, relatada por 66% das entrevistadas, a física.

    Abrindo o evento, a diretora-geral do Senado, Ilana Trombka, ressaltou que, desde 2015, a Casa tem investido em ações em prol da equidade de gênero e raça. Exemplo disso, afirma, foi a iniciativa do Senado que destina uma cota de 2% nos contratos de terceirização para colaboradoras em situação de vulnerabilidade econômica em decorrência de violência doméstica e familiar.

    — Ao trazer essas mulheres, percebemos que era necessário trabalhar um ambiente saudável e descobrimos que queríamos que o Senado fosse um ambiente livre de qualquer tipo de assédio. Em 2019, desenvolvemos uma campanha contra assédio moral e sexual no trabalho e a ideia é estimular outras organizações a adotar campanhas similares —, relatou a diretora-geral.

    Para Ilana, “o Senado não é uma ilha”. Ela avalia que a iniciativa é importante para que outros órgãos dispostos a trabalhar esse tema saibam que o Senado é uma instituição parceira, disponível para ajudar a construir ou ceder peças da campanha. Segundo afirmou, “por levar esse trabalho a sério, a Casa permite que os colegas sintam no Senado um aliado verdadeiro para a construção de um ambiente sem nenhum tipo de assédio”.

    A diretora da Secretaria de Transparência, Elga Lopes, explicou que a Pesquisa Nacional sobre Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher é feita pelo DataSenado a cada dois anos desde 2005, antes mesmo da aprovação da Lei Maria da Penha. Neste ano, a sondagem integra o conjunto de iniciativas do Senado Federal no contexto da campanha da ONU “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres”.

    — A intenção da pesquisa é verificar o impacto da lei sobre a realidade de violência e se esta diminuiu ou aumentou. Somos o único instituto que investiga esse assunto e fazemos de uma forma peculiar: só mulheres entrevistam mulheres. Foram ouvidas, neste ano, 2,4 mil mulheres —, disse Elga.

    Mulheres fortes

    Representando o Observatório da Violência contra a Mulher, Henrique Marcos Ribeiro falou sobre a satisfação de participar do debate e ressaltou que a luta contra a violência às mulheres também é uma causa dos homens.

    — E o fato de ter homens trabalhando com esse tema serve de exemplo de que pode haver uma relação de igualdade e de respeito mútuo entre homens e mulheres —, destacou o servidor.

    A pesquisa

    Foram entrevistadas 2,4 mil mulheres de todas as unidades da federação, por meio de ligações para telefones fixos e móveis, no período de 25 de setembro a 4 de outubro. A amostra é estratificada, totalmente probabilística, com alocação proporcional à população segundo dados mais recentes do IBGE. A margem de erro é de dois pontos percentuais com nível de confiança de 95%. Nas questões respondidas por subgrupos específicos da amostra, ou nas análises de dados segmentados, a margem de erro é superior a dois pontos percentuais.

    Mais informações sobre a pesquisa estão disponíveis no site do Senado.

     

    Últimos Artigos

    Nível dos rios do AM é “preocupante”, diz Defesa Civil

    Em informativo à população compartilhado nesta semana, a Defesa Civil Estadual do Amazonas (DC-AM)...

    AM perde liderança no Norte na produção de ovos

    Com a produção de 520.956 ovos de galinha em 2023, o Amazonas perdeu a...

    Em dois meses, 17 pessoas morreram atropeladas em Manaus

    De janeiro a fevereiro de 2024, 17 pessoas morreram em atropelamentos em Manaus. O...

    Saiba quais alimentos têm sódio em excesso identificados pela Anvisa

    Um relatório divulgado pela Anvisa revelou que 28% dos produtos industrializados monitorados entre 2020...

    Mais artigos como este

    Nível dos rios do AM é “preocupante”, diz Defesa Civil

    Em informativo à população compartilhado nesta semana, a Defesa Civil Estadual do Amazonas (DC-AM)...

    AM perde liderança no Norte na produção de ovos

    Com a produção de 520.956 ovos de galinha em 2023, o Amazonas perdeu a...

    Em dois meses, 17 pessoas morreram atropeladas em Manaus

    De janeiro a fevereiro de 2024, 17 pessoas morreram em atropelamentos em Manaus. O...