sábado, maio 18, 2024
More
    HomePoderAmazonasUfam produz pele artificial inédita para uso em testes de toxidade

    Ufam produz pele artificial inédita para uso em testes de toxidade

    Publicado em

    spot_img

    A doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Inovação Farmacêuticas (PPGIF),  da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Leilane Bentes de Sousa, desenvolveu um modelo de pele artificial a partir de células humanas permanentes. A amostra de tecido humano artificial (equivalente dermo-epidérmico) foi criada para ser utilizada em testes de substâncias cosméticas e fármacos. A pesquisadora produziu a pele in vitro no Laboratório de Atividades Biológicas da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (Biophar), coordenada pelo professor Emerson Lima e pela professora Marne Vasconcellos.

    De acordo com a matéria veiculada pela Assessoria de Comunicação da Ufam, o desenvolvimento de modelos de pele humana reconstruída em laboratório tem sido uma alternativa muito eficaz ao uso de animais em experimentação para testar a segurança de novos produtos. Esses novos modelos possuem, ainda, diversas aplicações e representam um ganho potencial de autonomia tecnológica para o Brasil, além de contribuir com a redução, refinamento e até mesmo substituição, de animais em experimentação reforçado pela legislação do Conselho Nacional de Experimentação Animal e organizações internacionais. 

    A reportagem explica ainda que as células são adquiridas no mercado privado e são cultivadas em uma estrutura de colágeno que a partir desse procedimento vão se proliferando até desenvolver o tecido epidérmico (pele superficial humana que protege todo o corpo) e a derme (tecido interno, logo abaixo da pele superficial dos seres humanos). Inúmeros processos de produção de pele artificial são conhecidos no Brasil e no mundo, mas a pesquisa de mestrado, da doutoranda Leilane, se diferenciou por utilizar outro procedimento.

    Para as indústrias de cosméticos testarem a segurança de seus produtos, estas peles precisam preencher os requisitos necessários de validação exigidos pela Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD) que disponibiliza os protocolos de validação. Só existem quatro peles internacionalmente reconhecidas e validadas pela entidade para utilização em testes, sendo que nenhuma é brasileira. Para serem utilizadas no Brasil é preciso importá-las e isso gera um custo muito elevado, além do processo ser bastante dificultoso por se tratarem de tecidos vivos.

    “Elaboramos um modelo tridimensional de cultura celular e cultivamos as células em uma estrutura de colágeno que permitiu o crescimento e desenvolvimento da célula nessa estrutura, durante 10 a 15 dias, em estufa, para crescimento e diferenciação e formação de um tecido. Fizemos o estudo de desenvolvimento e, ao final, os testes que a OECD preconiza para esse tipo de modelo, e verificamos que havia função barreira, ou seja, poderia mimetizar as principais funções da pele humana que são as barreiras física, mecânica, química, que atuam contra agentes biológicos”, afirmou a doutoranda.

    Por Cíntia Ferreira*
    *Com informações da Ascom da Ufam

    Últimos Artigos

    Nível dos rios do AM é “preocupante”, diz Defesa Civil

    Em informativo à população compartilhado nesta semana, a Defesa Civil Estadual do Amazonas (DC-AM)...

    AM perde liderança no Norte na produção de ovos

    Com a produção de 520.956 ovos de galinha em 2023, o Amazonas perdeu a...

    Em dois meses, 17 pessoas morreram atropeladas em Manaus

    De janeiro a fevereiro de 2024, 17 pessoas morreram em atropelamentos em Manaus. O...

    Saiba quais alimentos têm sódio em excesso identificados pela Anvisa

    Um relatório divulgado pela Anvisa revelou que 28% dos produtos industrializados monitorados entre 2020...

    Mais artigos como este

    Nível dos rios do AM é “preocupante”, diz Defesa Civil

    Em informativo à população compartilhado nesta semana, a Defesa Civil Estadual do Amazonas (DC-AM)...

    AM perde liderança no Norte na produção de ovos

    Com a produção de 520.956 ovos de galinha em 2023, o Amazonas perdeu a...

    Em dois meses, 17 pessoas morreram atropeladas em Manaus

    De janeiro a fevereiro de 2024, 17 pessoas morreram em atropelamentos em Manaus. O...